Translate into...

23 de mar de 2014

"Mas... a pessoa nasce gay?"

Existem heterossexuais que já compreendem e conseguem simpatizar com pessoas dotadas de sexualidades diferentes. Mas existem outros que (só Deus na causa) são completamente ignorantes à existência de outras sexualidades. Esta ignorância é resultado de vários fatores. Um deles é o conceito de heteronormalidade que se parasitou no mundo desde centenas de anos atrás.
Com ela, subentende-se que a heterossexualidade – sendo maioria e a única maneira possível de reprodução – é a única saudável, normal e aceitável forma de expressão sexual e ero afetiva humana – animal também. Tive um amigo que expulsou o cãozinho de estimação de casa porque o mesmo “estava dando a bunda para outros cães na rua.” Com isso, “se alguém se sente atraído por outro alguém do mesmo sexo (os pelos dois sexos), esta pessoa tem um problema moral, comportamental, psicológico ou até espiritual.”

  O nome já diz tudo:
diversidade sexual. Nós, seres humanos, somos divididos em machos e fêmeas, sendo que a maioria destes, é heterossexual. Uma outra parcela é transsexual, bissexual, assexual, homossexual e por aí vai. Mas nem todo mundo sabe disso. Quem nunca ouviu aquele ridículo clichê que diz: “Os cromossomos são X e Y.” Ou: “Não existe um gene gay, portando, ninguém nasce gay.”? Nada surpreendentemente, o ex-Deputado e “Pastor” Marco Feliciano disse algo quase idêntico isso.

  Em vídeo, a 06:15, ele chama a homossexualidade de “fenômeno comportamental”. Ao que parece, alguns profissionais de Psicologia, assim como o deputado, não reconhecem homossexualidade como algo intrínseco ao/do ser humano, mas como um comportamento misterioso que ninguém sabe de onde ou por que vem. Mais uma vez a heteronormalidade cegando os olhos dos leigos. A 07:07 do vídeo, ele diz:

“... A ciência não descobriu o gene gay, então a pessoa não nasce assim.”

  Ou seja, não bastam os vários testemunhos de pessoas que sabem que são homossexuais ou bissexuais desde o mais cedo que podem se lembar. Talvez porque o hétero não se descobre – nem precisa se descobrir – hétero. Ele se encaixa perfeitamente no padrão social de sexualidade e cresce achando que este padrão comporta a todos. E quando são adultos, acabam falam estas asneiras. Aff...
  Sinceramente... Nessa nossa época, com a nossa inteligência e com o tanto de informação que está disponível, não é preciso ser profissional de Psicologia para saber se ser gay é natural ou não. Mas se você ainda precisa tirar a dúvida, pergunte a um gay resolvido, desde quando ele é gay. Esta será e fonte mais segura para tal informação.
  A 07:14 do vídeo, o ex-Deputado cita sem dizer o nome a cantora Daniela Mercury para explicar sua teoria de como pessoas não nascem homossexuais:

“...Temos aí, o exemplo da cantora, que sempre me cita, que foi casada uma... que foi casada duas vezes, teve filhos através de uma relação heterossexual, teve seus prazeres como ser humano – através do sexo – e depois, aos 47 anos, assumiu a sua 'homossexualidade'... Alguns chamam isso de bissexualidade mas ela diz 'não'... Ela diz que era homossexual mas houve um tempo da vida dela, que ela era hétero! Então não nasce.”

  Repare: “mas houve um tempo da vida dela, que ela era hétero”. Não bastando a própria cantora dizer sobre sua própria sexualidade, ele insiste em achar que ela foi hétero por causa dos casamentos e dos filhos. Isto expõe a ignorância, não só dele mas de muitos, sobre o que acontece na vida de uma pessoas pertencente a uma minoria sexual. Especialmente na época de Daniela. Se hoje ainda não é fácil se assumir gay e se casar sem ser alvo de pesadas descriminações, imagine há 25 a nos atrás. Assim como Daniela, muitos gays se envolveram em casamentos héteros porque esta era a única opção para quem desejava formar uma família. Incrivelmente, isto ainda acontece hoje. Conheço exemplos de perto – pessoalmente. 

  Quanto ao que o ex-Deputado diz no vídeo sobre conhecer exemplos pessoas que eram gays e deixaram de ser, acredite: é apenas uma questão de tempo – pouco ou muito – para que elas se tornem também mais uns dos muitos exemplos de ex-gays que hoje são ex-ex-gays. Dentre eles está o Americano John Paulk (ex-líder do ministério cristão Love one Out, que em Abril de 2013 declarou que não mais apoiava o movimente ex-gay. Ele também havia sido flagrado em setembro de 2000 em um bar gay enquanto estava em uma turnê de palestras.).

  O vídeo em questão tem o objetivo de explicar que o PDC234/2011 não tem haver com “cura gay” mas com a liberdade do profissional da mente, de orientar pacientes que “sofrem conflitos” por causa de seus “sentimentos homossexuais.” Na pratica, gays que acham que sua atracão homossexual é um problema (geralmente por motivos religiosos), se direcionarão a um certo profissional que vai fazer o seu trabalho, consequentemente confirmando para este paciente que sua sexualidade lhe causa problemas. Quando na verdade, todo o problema é a homofobia internalizada do indivíduo. Seus conflitos são causados pela sociedade opressora e não pela sua condições sexual e afetiva impostas a ele pela natureza. Para entender melhor sobre sexualidades diferentes da hétero, converse com trans, homo, bi ou assexuais que sejam sérios e resolvidos. Não pergunte a pastor, deputado nem a psicólogos religiosos fundamentalistas e abitolados.

E sobre o tema desonestidade intelectual, dá uma olhadela neste video:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use de boa consciência nos comentário. Sem ofensas, palavrão, racismo, homofobia, discurso machista ou anti-gay. Não diga o que não gostaria que dissessem a você.

Leia também

Leia também